Veja dicas para aproveitar o final do ano com seu pet de forma segura e agradável!

O fim do ano está chegando, e depois de todos os acontecimentos que marcaram 2020, temos sim muito a comemorar. Este foi um ano em que as famílias viveram mais juntas do que nunca! Os pets se tornaram ainda mais próximos de seus tutores, estando presentes em home offices, comparecendo em reuniões, participando de eventos online e aflorando ainda mais a importância dos pequenos momentos que realmente têm valor em nossas vidas.

Na hora de confraternizar com a família, nada mais justo do que se preparar para incluir na festa estes amigos peludos que nos acompanham durante toda a quarentena. Preparamos então algumas dicas de cuidados para que esses momentos sejam muito proveitosos e seguros:

Mantenha objetos pequenos longe do alcance

Deve-se ter cuidado para não deixar ao alcance dos animais objetos pequenos que possam chamar a atenção para morder ou engolir. Um exemplo muito comum é a árvore de Natal que, por conter muitos enfeites em formatos de brinquedos, acaba chamando a atenção dos animais, principalmente gatos. Outros objetos comuns nessa época também podem oferecer riscos, como velas acesas, embalagens e fitas. Por isso é sempre importante estar atento para que eles não engulam os enfeites ou até mesmo mordam as luzes e acabem tomando choques ou se machucando.

Atente-se a plantas tóxicas

Outro ponto de atenção são algumas plantas natalinas que podem ser tóxicas aos animais. Um bom exemplo é a poinsétia, também conhecida como bico-de-papagaio ou flor-do-natal, que é comumente utilizada como adorno nessa época do ano e é extremamente tóxica a cães e gatos. Caso o seu animal tenha entrado em contato com essa planta, alguns sintomas que ele pode apresentar são vômitos, diarreia, tremores, salivação e dermatites. Nessa situação, leve o seu animal para o médico-veterinário mais próximo.

Fique de olho nos cacos de vidro

Em festas de final de ano é comum que acidentes possam acontecer com vidros, garrafas, copos ou até enfeites quebrados, que podem causar lesões físicas nos pets. Para evitar que alguém se machuque, o indicado é embrulhar os cacos de vidros em um jornal ou algum material mais resistente. 

Cuidado com a alimentação

É normal que alguns tutores queiram agradar os pets com petiscos ou comidas disponíveis na mesa de jantar. Entretanto, muitos alimentos de consumo humano são tóxicos para os animais, podendo transformar um simples gesto de carinho em sérios problemas de saúde.

Para evitar que isso aconteça na sua casa, separamos alguns exemplos de alimentos comuns em festas de final de ano que são altamente tóxicos para os pets:

  • Chocolate (chocotone, bombons, sobremesas em geral)
  • Uva e uvas passas (panetone, arroz com uvas-passas)
  • Comidas temperadas com alho e cebola
  • Bebidas alcoólicas

Ao serem ingeridos pelos pets, esses alimentos podem causar vômito, diarreia, apatia, desidratação, paralisia e, em muitos casos, podem levar ao óbito. Infelizmente, o tratamento dessas intoxicações são somente paliativos, e pequenas doses desses alimentos já podem fazer com que não seja possível salvar a vida do animal.

Outros alimentos merecem uma atenção especial ao estarem perto dos animais, como ossos em geral (peru, chester, frango, pernil suíno), espinhas de peixe (bacalhau) e frutos do mar.

É importante ficar atento a esses alimentos e sempre contactar um médico-veterinário. Para evitar que acidentes aconteçam, há uma grande variedade de petiscos e alimentos específicos para animais, que podem ser oferecidos para eles durante a confraternização.

Previna-se quanto aos fogos de artifício

Nesta época do ano, o uso de fogos de artificio é uma prática muito comum. Para pets, eles podem apresentar uma real ameaça, principalmente porque a maioria dos fogos de artificio têm estouros altos. Para uma parcela dos animais, a queima de fogos pode ser um momento estressante. Isso acontece porque cães e gatos possuem audição mais aguçada do que os seres humanos. Dessa forma, o barulho para eles é muito mais alto e, consequentemente, mais desconfortável.

Nesses casos, os pets podem apresentar sinais de medo, estresse e ansiedade, por vezes resultando até em fuga da própria casa, numa tentativa de buscar abrigo ou se esconder dos barulhos.

Pensando nesse cenário, separamos algumas orientações:

  • Para minimizar a intensidade do barulho, pode-se colocar um chumaço de algodão no ouvido dos animais, retirando-o quando acabar a queima de fogos.
  • É importante que o proprietário transmita calma e segurança para o animal neste momento. Punições podem piorar o quadro de estresse do animal.
  • Caso o animal tenha que ficar sozinho, é preciso mantê-lo em um ambiente fechado e seguro e, se possível, onde o barulho possa ser de menor intensidade. Janelas e portas precisam estar fechadas para minimizar os sons e evitar a fuga. Se possível, pode-se afastar os móveis para impedir que o animal tente escalar e acabe por se lesionar.
  • Caso o ambiente possua telas de proteção, principalmente quando é uma residência que possui gatos, é interessante que as telas sejam checadas para garantir a proteção dos animais.
  •  É importante que os pets estejam sempre com suas coleiras com placas de identificação contendo o telefone do proprietário.
  •  Para animais que já apresentam sintomas de ansiedade com queima de fogos, a companhia do tutor durante esse momento fará com que ele se sinta mais seguro. Procure não deixá-lo sozinho.
  • Procure um médico-veterinário para obter outras instruções que garantam a segurança do seu animal. Somente ele pode sugerir o uso de uma medicação (caso seja necessário) e auxiliar com terapias especificas para este tipo de transtorno.

A Special Dog Company lembra que cada momento que você e seu pet passam juntos é único! Então cuide-se e cuide dele para que vocês tenham um final de ano muito especial!