Conheça os cuidados com as cadelas e gatas no período gestacional e parto.

Durante a gestação, as cadelas e gatas precisam de muito amor e carinho, assim como as mulheres. Os tutores precisam ter disponibilidade para cuidar dos bichanos nessa fase tão delicada da vida.

Para que elas tenham uma gestação saudável, temos que nos lembrar que é necessário um check-up para garantir que a saúde esteja em dia. As fêmeas e os machos não podem ter doenças infecciosas e hereditárias. Os machos devem ser de tamanho adequado ao da fêmea para evitar o desenvolvimento de fetos muito grandes, o que pode gerar distocias. Além disso, o acasalamento costuma ser mais fácil quando os pets já se conhecem e se sentem bem no ambiente em que se encontram.

Uma dica importante é evitar o ganho excessivo de peso do animal durante a gestação. Com a gravidez, o espaço da cavidade abdominal fica mais restrito, tornando fundamental uma alimentação Super Premium, pois possuem maior valor energético, atingindo a necessidade do animal com menor quantidade e evitando de deixar o estômago cheio e causar desconforto.

Além de um alimento de qualidade, é indicado trocar a alimentação da gestante para um alimento específico para filhotes desde a descoberta da gravidez até o final da lactação. Assim ela terá uma nutrição mais reforçada para o organismo e o filhote receberá os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Lembrando que a gestação das cadelas pode durar de 56 a 68 dias e das gatas de 60 a 68 dias.

Podemos identificar algumas mudanças nas fêmeas prenhes, como alterações de comportamento, ficando mais reservadas. A perda considerável de apetite também é comum durante a gestação, por isso é importante ficar atento quanto à alimentação. Fisicamente, apresentam também aumento das mamas e o abdômen fica mais abaulado. Para acompanhar a gestação existem alguns métodos que podem ser feitos por médicos-veterinários de sua confiança, como palpação abdominal, auscultação, exames radiográficos e ultrassonográficos. A ultrassonografia permite a avaliação da viabilidade do concepto, o monitoramento do desenvolvimento fetal, a estimativa da data de parto e ainda a determinação do sexo fetal. A palpação abdominal é considerada o método de diagnóstico gestacional mais simples e rápido, sendo o mais usual na medicina veterinária. Os ruídos cardíacos fetais na auscultação podem ser perceptíveis nos últimos 15 dias de gestação e são caracterizados por uma frequência elevada: 180 a 240 batimentos por minuto. Já para avaliação do número de fetos, a radiografia é o método mais aconselhável.

No dia do parto, elas escolhem seu próprio ambiente, preferencialmente locais escuros e longe de barulhos. Algumas vezes, o local escolhido é dentro de armários, caixas vazias, entre outros. É importante respeitar a escolha e deixá-las acomodadas. Uma dica importante é separar panos e cobertas para que elas façam seus próprios ninhos.

Um parto normal se dá com a expulsão fetal quando a cérvix está completamente dilatada, formando juntamente com a vagina o canal do parto. Pode durar entre 6 a 12 horas dependendo do número de filhotes, podendo se estender por até 36 horas em cadelas primíparas, sem comprometimento para os fetos. É interessante salientar que se observa declínio da temperatura corpórea de 0,5 a 1,0°C nas 12 a 24 horas antecedentes ao parto.

O parto anormal (distocia) pode ocorrer quando há problema na expulsão normal dos fetos uma vez que o parto tenha iniciado. Vários fatores maternos e fetais podem contribuir para a distocia em cadelas e gatas. Os fatores maternos podem ser: falhas em expulsar os fetos de tamanho normal pelo canal do parto, dilatação incompleta da cérvix ou contração uterina prolongada sem êxito em expulsar um feto que obstrui o canal do parto. Raças braquicefálicas (gatos persas, bulldogs, pugs, entre outros), têm uma predisposição maior em apresentar partos distocicos. Além disso, algumas alterações na conformação do sistema genital podem influenciar dramaticamente a expulsão fetal. Os fatores fetais podem ser: alterações na posição ou na postura do feto durante o parto e desenvolvimento fetal anormal por doenças congênitas ou pelo tamanho do macho o qual fêmea acasalou.

É muito importante estar atento a qualquer sinal de exaustão da fêmea, principalmente ao ultrapassar 24 horas de parto, ou se apresentarem sangramentos intensos, convulsões, ou até mesmo uma das distocias citadas acima, precisando levar ao médico-veterinário com urgência. Saber a quantidade total de fetos contribui para a finalização do parto com segurança, sem que o tutor tenha dúvidas se ainda há filhotes retidos ou não. Não existe um intervalo constante entre o nascimento dos filhotes, mas o ideal é que não seja superior a duas horas. Caso contrário também será necessária uma intervenção.

É muito importante o conhecimento básico sobre o período gestacional e parto para oferecer o melhor conforto aos pets. Lembrando que a presença do médico-veterinário de sua confiança é essencial para o tratamento e prevenção de quaisquer anormalidades nesse período, pois ele definirá a melhor forma de monitorar e tratar as fêmeas em parição para eventos que podem ocorrer durante a gestação e o parto.